Acesso Mais Seguro

 

As experiências de trabalho das Sociedades Nacionais em contextos delicados e inseguros são a base do Pacote de Recursos Práticos para o Acesso Mais Seguro. Este mapa interativo leva aos “casos de estudo” detalhados que descrevem as experiências de diversas Sociedades Nacionais que aplicaram o Marco para um Acesso Mais Seguro. Também apresenta “experiências selecionais” mais breves, nas quais algumas Sociedades Nacionais relatam os desafios específicos encontrados na realização do trabalho humanitário e como os superaram. As Sociedades Nacionais estão convidadas a enviar as suas próprias experiências que serão publicadas juntamente com as que estão no mapa abaixo.

Conteúdo

  • Nossa experiência: Cruz Vermelha Sudanesa

     

    O Crescente Vermelho Sudanês foi criado por decreto em 1956, reconhecido como Sociedade Nacional e aceito pelo Movimento no ano seguinte. Temos 15 filiais e mais de 75 unidades no Sudão, com uma base de cerca de 35 mil voluntários ativos.

    Operamos em todo o Sudão, muitas vezes em condições extremamente difíceis provocadas pela sucessão de conflitos armados internos que atingiram o país, inclusive em Darfur, South Kordofan, Abyei e Blue Nile, e pela seca, desertificação e outros desastres naturais que afetam o leste e o norte do Sudão e Kordofan.

  • Nossa experiência: Magen David Adom em Israel

     

    O Magen David Adom é o serviço de saúde de emergência nacional de Israel, com 900 ambulâncias, 1,6 mil funcionários e dez mil voluntários. Trabalha na linha de frente da resposta aos graves incidentes (como os atos indiscriminados de violência) em tempos normais, e como auxiliares ao mecanismo de defesa civil de Israel (o Comando de Defesa Civil) e do serviço de saúde das forças armadas durante a guerra.

  • Nossa experiência: Cruz Vermelha Mexicana

     

    A Cruz Vermelha Mexicana foi criada em 1910. Como uma organização humanitária independente, dependemos de doações de todos os setores da sociedade para o apoio aos nossos programas. Temos mais de 42.000 voluntários, que realizam uma ampla gama de atividades.

    O serviço de maior destaque da nossa Sociedade Nacional é o atendimento de emergência pré-hospitalar, oferecido por 528 centros de saúde em todo o país. Contamos com 1.026 médicos e mais de 2.400 ambulâncias. O atendimento de emergência é gratuito e disponível 24h durante o ano inteiro. Em 2012, a Cruz Vermelha Mexicana respondeu a 5.371.874 casos e realizou 1.283.284 atendimentos de ambulância gratuitos.

  • Nossa experiência: Cruz Vermelha do Sudão do Sul

     

     Com a declaração de independência do Sudão do Sul, em julho de 2011, foi criada a Cruz Vermelha do Sudão do Sul. Obtivemos nosso reconhecimento formal do governo em março de 2012, com a adoção da Lei da Cruz Vermelha do Sudão do Sul. Nossa sede fica em Juba e temos 10 filiais localizadas em capitais de estados. Há cinco subfiliais com foco em programas específicos, assim como uma rede de 23 Equipes de Ação de Emergência.

  • Nossa experiência: Cruz Vermelha Argentina

     

    A Cruz Vermelha Argentina é uma organização de trabalho voluntário que opera em todo o país. Através da nossa rede de 64 filiais e mais de 6.500 voluntários, realizamos tarefas humanitárias em conformidade com a nossa missão de melhorar a vida das pessoas, particularmente aquelas mais vulneráveis, trabalhar com as comunidades para torná-las mais resilientes e saudáveis e difundir nossos Princípios Fundamentais e valores humanitários.

  • Nossa experiência: Cruz Vermelha de Uganda

     

    A Cruz Vermelha de Uganda é a maior organização humanitária do país, cuja função de auxiliar das autoridades públicas foi reconhecida por uma lei do Parlamento de 1964. Temos 51 filiais em todo o território, com mais de 300 mil membros e voluntários.

    Participamos em atividades de emergência e desenvolvimento através de programas de assistência à saúde e gestão de desastres.

  • Nossa experiência: Cruz Vermelha da Côte d'Ivoire

     

    A Cruz Vermelha de Côte d’Ivoire foi fundada em 1960 e reconhecida como organização de caridade por um decreto governamental em 1963. Possuímos 50 filiais locais, além de 26 equipes autônomas de primeiros socorros. No total, são 76 entidades em todo o território nacional capazes de tomar ações rápidas em caso de emergência.

     

    A nossa Sociedade Nacional ajuda a melhorar as condições de vida das pessoas particularmente vulneráveis no país inteiro através de programas de prestação de primeiros socorros, melhoria da saúde e promoção dos valores humanitários, entre outros. A organização também desempenha a função de auxiliar das autoridades públicas no âmbito humanitário.

  • Nossa experiência: Crescente Vermelho Palestino

    O Crescente Vermelho Palestino recebeu um mandato em 1969 para prestar assistência humanitária e serviços de saúde e sociais à população palestina, nas circunstâncias em que fossem necessárias, tanto no território Palestino como para a diáspora palestina.1 Temos 4,2 mil funcionários na Cisjordânia e Faixa de Gaza, Líbano, Síria e Egito, além de uma rede de mais de 20 mil voluntários.

  • Estudo de caso: África do Sul

     

    Este estudo de caso foi elaborado conjuntamente pela Cruz Vermelha Sul-Africana e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). O objetivo é explorar e destacar algumas das lições aprendidas com a resposta humanitária da Cruz Vermelha a uma onda de violência associada a ataques xenófobos em maio de 2008.

     

  • Nossa experiência: Cruz Vermelha Canadense

     

    Criada em 1909, a Cruz Vermelha Canadense trabalha para melhorar a vida das pessoas mais vulneráveis no Canadá e no mundo todo. Presta uma ampla gama de serviços humanitários, para milhões de pessoas no país, com programas de assistência à saúde e de prevenção de lesões (incluindo segurança da água e primeiros socorros) e iniciativas de prevenção contra violência e abuso. Além disso, a organização ajuda as comunidades na preparação para desastres de todo tipo e atende às necessidades decorrentes de desastres naturais. A Cruz Vermelha Canadense também opera ao redor do mundo, prestando assistência às populações mais vulneráveis, incluindo as afetadas por conflitos armados ou atingidas por catástrofes.
    .

  • Estudo de caso: Afeganistão

     

    Este estudo de caso resume algumas das questões que afetam o acesso mais seguro do Crescente Vermelho Afegão às pessoas e comunidades atingidas por conflitos armados ou tensões e distúrbios internos. Também inclui estratégias que a organização adota para permitir que funcionários e voluntários prestem serviços humanitários de forma segura em um ambiente de conflito ativo. O estudo de caso é o resultado de um processo de aprendizado por pares que lançou luz sobre diversos aspectos do Marco para um Acesso Mais Seguro, particularmente a avaliação dos contextos e dos riscos, a aceitação da organização e a aceitação individual.

  • Estudo de caso: Líbano

     

     

    Este estudo de caso é uma iniciativa conjunta da Cruz Vermelha Britânica, da Cruz Vermelha Libanesa e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). Todas essas três organizações são membros do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, uma rede humanitária mundial que responde a conflitos armados e outras emergências. O estudo de caso é ligado a dois projetos separados, atualmente realizados pela Cruz Vermelha Britânica e o CICV